A Filosofia Alemã e a Revolução Francesa

wook 14.4 € Comprar

O conjunto de textos que aqui se apresenta ao leitor em tradução portuguesa, bem como as introduções e as notas que os acompanham, resultam de um trabalho colectivo realizado no âmbito do Projecto de Investigação «A Recepção da Revolução Francesa pela Filosofia Alemã, dos Finais do Século XVIII e dos Inícios do Século XIX», financiado pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia. Esta reflexão filosófica sobre a Revolução Francesa teve o seu início no vasto e complexo movimento cultural que podemos...

Saiba mais

Descrição

O conjunto de textos que aqui se apresenta ao leitor em tradução portuguesa, bem como as introduções e as notas que os acompanham, resultam de um trabalho colectivo realizado no âmbito do Projecto de Investigação «A Recepção da Revolução Francesa pela Filosofia Alemã, dos Finais do Século XVIII e dos Inícios do Século XIX», financiado pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia. Esta reflexão filosófica sobre a Revolução Francesa teve o seu início no vasto e complexo movimento cultural que podemos identificar pela designação de Idealismo e Romantismo alemães, prolongando-se ainda para lá dele. Neste sentido, foram objecto de estudo textos de pensadores que acompanharam, directa e indirectamente, aquele acontecimento: numa primeira fase, Jacobi, Humboldt, Fichte e Schelling, numa segunda fase, Hegel e, mais tarde, Marx. Partidários, meros simpatizantes, ou mesmo detractores, para todos eles a Revolução, quer naquilo que destruiu radicalmente, quer no que se propôs erigir - dotada, por isso mesmo, de uma carga simbólica desconhecida até à época -, é considerada como um acontecimento seminal do ponto de vista da entrada na época contemporânea.

Detalhes

Do mesmo autor

Este site utiliza cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência de utilização. Ao navegar no site consente a utilização dos cookies. Saber mais