A Filosofia da Religião em Portugal

wook 10 € Comprar

Com a passagem da primeira para a segunda metade do século XIX, Portugal conhece finalmente um processo de evolução que o faz transitar do pensamento antigo para o pensamento moderno. Entrando embora em consideração com o processo de mudança que se verificou no domínio político, social e cultural, A filosofia da religião em Portugal (1850-1910) ocupa-se essencialmente da evolução e mudança que se operou a nível da conceção de Deus e da religião.Centrando-se na conceção das principais figuras do pensamento...

Saiba mais

Descrição

Com a passagem da primeira para a segunda metade do século XIX, Portugal conhece finalmente um processo de evolução que o faz transitar do pensamento antigo para o pensamento moderno. Entrando embora em consideração com o processo de mudança que se verificou no domínio político, social e cultural, A filosofia da religião em Portugal (1850-1910) ocupa-se essencialmente da evolução e mudança que se operou a nível da conceção de Deus e da religião.Centrando-se na conceção das principais figuras do pensamento filosófico português (Amo rim Viana, Cunha Seixas, Teófilo Braga, Antero de Quental, Guerra Junqueiro, Sampaio Bruno, Basílio Teles ... ), este estudo demonstra que com estes autores, cujos móbiles não são a irreligiosidade, o agnosticismo ou o ateísmo, mas sim a sua identificação com os valores da razão, da consciência, da tolerância e do progresso, Deus e o religioso passam a ser concebidos segundo os pressupostos e os parâmetros duma religião de natureza mística, assente na razão e no mistério.Contando na génese com o particular contributo de Amorim Viana, tal conceção místico-racional de Deus e da religião culmina com duas versões especiais, ambas alternativas e substitutivas das formas de religião que se reclamam da revelação positiva e do carácter institucional, incluído naturalmente o cristianismo católico: uma, a de Sampaio (Bruno), que consiste na afirmação do misticismo gnóstico da cabala judaica, mormente a nível da versão moderna desta; outra, a de Basílio Teles, que consiste na afirmação dum misticismo imanentizado e panteísta do Divino, de matriz greco-pagã.

Detalhes

Do mesmo autor

Este site utiliza cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência de utilização. Ao navegar no site consente a utilização dos cookies. Saber mais