Da Arte do Servilismo

wook 4.48 € Comprar

Os governos ou as democracias são sempre escravos do povo, mas por norma nunca fazem o que este reclama, mas dizem-lhe sempre o que eles querem ou gostam de ouvir, a base da vida dos políticos está dependente da sua habilidade para quem o serve, conforme ilustra D’Holbach neste excerto do livro:«Esta arte e controlo sobre si mesmo, não significa a dissimulação profunda que constitui o primeiro componente de um cortesão de verdade! O cortesão deve, constantemente, sob o disfarce de uma pura amizade,...

Saiba mais

Descrição

Os governos ou as democracias são sempre escravos do povo, mas por norma nunca fazem o que este reclama, mas dizem-lhe sempre o que eles querem ou gostam de ouvir, a base da vida dos políticos está dependente da sua habilidade para quem o serve, conforme ilustra D’Holbach neste excerto do livro:«Esta arte e controlo sobre si mesmo, não significa a dissimulação profunda que constitui o primeiro componente de um cortesão de verdade! O cortesão deve, constantemente, sob o disfarce de uma pura amizade, ludibriar os seus rivais, mostrar a sua faceta mais afectuosa aos que mais odeia e beijar com ternura todos aqueles que gostaria de estrangular; por fim, este deve ainda manter, sem qualquer tipo de alteração, o seu rosto enquanto mente descaradamente.»Há quem os despreze e os defina como abjectos, bajuladores, subservientes, gentis, subtis, mercantis, ardilosos, arquitectos da indiferença e do sombrio. Estes são pessoas que não têm estima por ninguém, muito menos por si mesmo; o seu propósito é o de embrutecer a inteligência do homem, para fazer dele o que quiser.Cada frase sua é sempre construída por um sujeito, um predicado e um elogio final, para agradar, encantar e dar prazer a quem se dirige, mas esta é a base desta nossa sociedade civilizada.Um país sem cidadãos de boa reputação, não pode existir verdadeiramente, porque seria muito fácil a um governo ser eterno se oferecesse ao povo, todos os dias um fogo-de-artifício.Essa sua arte de bajular não é a mais perigosa de todas, mas sem dúvida o nível de mediocridade do meio que nos rodeia, o verdadeiro perigo ou mal não está na multiplicação das máquinas na nossa sociedade, mas sim no número cada vez maior de pessoas a só desejar o que as máquinas nos podem dar.

Detalhes

Este site utiliza cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência de utilização. Ao navegar no site consente a utilização dos cookies. Saber mais