O Sesudo e o Sandeu

wook 9.6 € Comprar

Debruça-se o presente estudo sobre a obra de um poeta português representado no Cancioneiro geral de Garcia de Resende (1516): D. Luís da Silveira, senhor de Góis. Pretende-se analisar, na íntegra, o corpus poético atribuído a este autor, frisando, de uma parte, os aspectos temáticos, formais e estilísticos que o vinculam ao enquadramento epocal e estético em que foi produzido, e, de outra parte, aqueles que consideramos serem elementos de uma poética individual e invulgarmente coerente. Imprimiu-se...

Saiba mais

Descrição

Debruça-se o presente estudo sobre a obra de um poeta português representado no Cancioneiro geral de Garcia de Resende (1516): D. Luís da Silveira, senhor de Góis. Pretende-se analisar, na íntegra, o corpus poético atribuído a este autor, frisando, de uma parte, os aspectos temáticos, formais e estilísticos que o vinculam ao enquadramento epocal e estético em que foi produzido, e, de outra parte, aqueles que consideramos serem elementos de uma poética individual e invulgarmente coerente. Imprimiu-se ao trabalho um seccionamento analítico de ordem temática, abrangendo, em três etapas, todas as facetas da obra de Luís da Silveira: os textos individuais subordinados a temas religiosos, morais e filosóficos; os textos individuais de conteúdo amoroso; e as participações em poesias colectivas de circunstância, de inspiração satírica ou galante. Mediante uma reflexão contextualizada acerca da poesia completa deste autor, deseja-se oferecer um modesto mas incentivador contributo aos estudos ‘cancioneiris’ portugueses e ibéricos, agregando-o ao pequeno acervo bibliográfico já produzido a respeito do legado de alguns outros autores maiores do Cancioneiro geral, entre os quais se contam D. Francisco de Portugal, Garcia de Resende, Álvaro de Brito e Anrique da Mota. Luís da Silveira pertence a uma das gerações poéticas mais recentes contempladas pelo Cancioneiro geral de Garcia de Resende (Almeirim / Lisboa, 1516), e é autor de um conjunto de textos que, se não sobressai pela extensão nem pela celebridade que os séculos posteriores lhe tributaram, revela uma iniludível qualidade literária, que passa, entre outros factores que teremos ensejo de debater, pela notável virtude de assimilar, conjugar e glosar com refinada elegância alguns dos temas e motivos literários de maior fortuna no seu tempo, ou seja, nos primeiros três lustros do século XVI. Assim, ao valor intrínseco da sua obra soma-se ainda o mérito de se apresentar como uma generosa reflexão do contexto estético, mental e cultural em que foi produzida.

Detalhes

Este site utiliza cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência de utilização. Ao navegar no site consente a utilização dos cookies. Saber mais